Home / Automotivo / Nasci mecânico e vou morrer eletrônico

Nasci mecânico e vou morrer eletrônico

Apesar dessa frase constatar a finitude da vida, ela expressa que além da morte, a mudança também é uma coisa certa na vida.

Ouvi essa frase de um mecânico que sintetizou a dor de todo mecânico automotivo hoje em dia, pois, os carros estão cada vez mais eletrônicos e a reciclagem de conhecimento é necessária, ou seja: adentrar em uma especialização que a princípio não tinha. Uma consultoria especializada constatou que pelo menos 70% dos defeitos dos veículos automotores são eletrônicos hoje em dia.

Desde que o transistor (inventado em 1947) foi introduzido no mercado na década de 50, o mercado de semicondutores cresce sem parar já há 70 anos.

E cada vez mais dispositivos mecânicos e eletromecânicos vem sendo substituídos por microeletrônica com microcontroladores, memórias, conversores, e softwares embarcados.

O ensino e capacitação, porém está sempre aquém da tecnologia aplicada que vai entrando no mercado, e isso é natural.

E assim demandas reprimidas de capacitação surgem até começarem a se resolver pela inciativa do próprio mercado.

NASCI MECÂNICO E VOU MORRER ELETRÔNICO expressa a necessidade de se capacitar no conserto das partes eletrônicas do carro para permanecer e crescer no mercado de reparação, e para não ser mero trocador de peças, o que  não é bom. Por mais que se diga que placas eletrônicas são descartáveis, e penso que isso seja apenas folclore, neste mundão velho sem porteira tudo se conserta e creio que  sempre será assim. O conserto sempre representará uma solução mais econômica e mais sustentável para o planeta, na maioria dos casos.

Porém, existe uma dificuldade do mecânico já estabelecido em se reciclar. Fazer um colégio técnico ou engenharia é uma solução não muito satisfatória já que toma muito tempo. Existem cursos vagos que ajudam a entender o funcionamento de uma injeção eletrônica mas não são suficientes para o mecânico dominar a análise de defeitos na placa e resolver.

A novidade nesse mercado é o VRSCAR da VeRSis que é um pacote de Localizador de Defeitos mais banco de curvas automotivo leve e pesado de ECUs, que é a parte eletrônica mais importante e central do carro.

Com pouquíssimo tempo de treinamento e com dedicação de quem quer vencer essa nova etapa, pois nada nesta vida acontece sem dedicação, o VRSCAR vem ajudando muito os mecânicos, auto elétricas e chaveiros a entrar no mundo do reparo de módulos já com grande chance de sucesso inicial, mesmo sem saber profundamente eletrônica.

O aprendizado constante é necessário, e o VRSCAR dá um impulso inicial para esses profissionais conseguirem um sucesso sem muito aprofundamento, e isso os animará a aprender eletrônica, e ampliar suas perspectivas de sucesso.  É como começar a tocar violão por cifras apenas, quando se tem um grande desejo de tocar músicas completas em pouquíssimo tempo, e depois vai se aprendendo teoria.

butão

Gilberto Antonio Possa
Diretor Presidente VeRSis

Veja Mais

Conserte Injeção Eletrônica sem segredos

7 comentários

  1. Otimo artigo, me esclareceu bastante!
    Muito obrigado

  2. ótima dica, obrigado por compartilhar!
    ganhou um visitante rs 😀

  3. Ótimo artigo, obrigado por compartilhar
    valeu a visita

  4. Ótima dica, obrigado por compartilhar, voltarei sempre 😉

  5. Sidney Rogerio

    Sempre que posso acompanho as novidades que vc lançam no mercado, futuramente pretendo adquirir tambem esse instrumentos.

  6. sebastiao pereira da cruz

    Gosto das publicações de vocês, futuramente pretendo adquirir um instrumento desses para meus serviços.

  7. Rogerio g Valentim

    Muito bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *