Home / Eletrônica / O que preciso para montar um laboratório de reparo de placas eletrônicas

O que preciso para montar um laboratório de reparo de placas eletrônicas

Talvez uma das perguntas que mais recebemos seja “ O que eu preciso para montar um laboratório de reparos em eletrônica?”

Muitos responderiam com um “depende”. Afinal, existe uma infinidade de segmentos na eletrônica, e cada um deles tem a sua especificidade. Um exemplo: um laboratório para reparo de celulares tem ferramentas que não necessariamente precisamos em um laboratório de reparo de equipamentos industriais.

Mas, é possível pensarmos em uma estrutura básica, que seja útil para qualquer segmento, para qualquer tipo de placa que se deseja trabalhar.

A Bancada

O primeiro passo é o espaço de trabalho. Pode ser tanto uma bancada construída especificamente para trabalhos em eletrônica, como uma mesa adaptada. O importante é ter um espaço que seja suficiente para se manipular os equipamentos e placas que serão trabalhados. Portanto, para equipamentos maiores, será necessário uma bancada maior. Equipamentos menores demandam espaços menores.

 

 

Iluminação

Como os componentes eletrônicos são muito pequenos, e vão ficando cada vez menores à medida que evoluem, é importante que o local de trabalho seja bem iluminado, e que se tenha disponível lente de aumento, lupa, etc. Uma inspeção visual bem feita é etapa muito importante do reparo e, para isso, é preciso visualizar o circuito com o máximo de detalhe possível.

Instalação elétrica

Como teremos muitos equipamentos em nossa bancada, incluindo o próprio equipamento em reparo, é importante que a instalação elétrica seja bem feita, com tomadas de 3 pinos em quantidade suficiente para se ligar tudo o que será utilizado, e com um disjuntor de proteção exclusivo. O disjuntor deve ficar em local de fácil acesso, preferencialmente na própria bancada, para que seja facilmente desligado em caso de necessidade. Outro ponto importante é que a instalação elétrica deve ter um aterramento de boa qualidade, tanto para proteção dos equipamentos, como para prevenção de ESD.

ESD – Controle de Eletricidade Estática

Na maior parte do tempo, não a vemos nem a sentimos, porém a eletricidade estática é um problema sério na eletrônica. Quando removemos uma placa eletrônica de dentro de um equipamento e a manipulamos sem os devidos cuidados com ESD, pode ocorrer danos severos ao circuito e, o que é pior, sem nem mesmo ser possível notarmos. Os danos que a ESD causa em um circuito eletrônico podem não se manifestar imediatamente, mas causar uma diminuição em sua vida útil ou defeitos intermitentes, por exemplo.

A melhor maneira de se lidar com a ESD é a prevenção. Existe uma infinidade de equipamentos, materiais e procedimentos que podem ser adotados. Porém, alguns cuidados básicos já são suficientes para enfrentarmos o problema.

  • Aterramento: o aterramento da instalação elétrica da bancada não só ajuda a proteger os equipamentos como também evita a geração de ESD, principalmente pelas estações de solda. Se a estrutura da bancada for metálica, esta deve estar conectada ao aterramento

 

  • Manta anti-estática: a utilização de manta anti-estática devidamente conectada ao aterramento cria uma área protegida contra ESD. Sempre devemos manipular as placas eletrônicas sobre esta área protegida.

 

  • Pulseira anti-estática: além de manipular as placas eletrônicas sobre a área protegida pela manta anto-estática, é importante também utilizar pulseira anti-estática conectada ao aterramento, para que se possa tocar na placa sem causar danos.

 

Equipamentos para Soldagem

Uma etapa fundamental para o reparo de placas eletrônicas é a substituição adequada dos componentes danificados. Existe uma grande variedade de equipamentos e ferramentas para este fim, com preços igualmente variados. Porém, alguns itens são básicos:

  • Estação de solda com temperatura controlada: para soldagem de componentes em geral

  • Estação de solda de ar quente (hot air): ferramenta importante para se trabalhar com componentes SMD
  • Solda: estanho próprio para soldagem eletrônica.
  • Sugador de solda: para remoção de componentes.
  • Malha dessoldadora: para remoção e limpeza de solda de placas com componentes SMD, principalmente
  • Fluxo de solda: permite um processo de soldagem mais preciso
  • Álcool isopropílico: para limpeza da placa
  • Escova anti-estática: para limpeza da placa
  • Pinças: para manipulação e posicionamento de componentes. Precisam ser metálicas ou de material anti-estático.

Ferramentas diversas

São os itens que variam mais, dependendo do tipo de placa que está sendo reparada e também do gosto pessoal. Mas, não pode faltar no laboratório:

  • Alicate de corte pequeno
  • Alicate de bico pequeno
  • Chaves de fenda
  • Chaves philips

Instrumentos de medição

Também varia muito de acordo com o segmento que estamos atuando e também do profissional que está executando o trabalho. Porém, é indispensável ter à mão um bom multímetro, além de uma ferramenta que permita o diagnóstico de defeitos em placas eletrônicas de maneira fácil e objetiva: o Localizador de Defeitos.

 

 

 

 

 

 

Veja Mais

É POSSIVEL FAZER REPARO SEM SER TÉCNICO?

Outrora o técnico eletrônico que consertava equipamentos eletrônicos era tido como um crânio, cientista, inventor, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *